quinta-feira, 27 de março de 2014

Rolândia sem a TCR? Ótima oportunidade!!

Rolândia poderá ficar sem Transporte Coletivo, caso não surja alguma empresa
interessada em assumir os serviços na cidade.
Foto: ônibusbrasil.com

Rolândia sem a TCR. Ótima oportunidade!!

A empresa TCR está deixando de operar na cidade de Rolândia. Segundo o diretor da TCR, (Transporte Coletivo Rolândia) Roberto Negrão, foi protocolado na prefeitura uma carta dizendo que até 30 de Abril a empresa ficara operando no transporte urbano e até 30 de março os serviços de fretamento de empresas e transportes escolares.

Fonte: Site Notícias de Rolândia

Pois bem. Uma ótima oportunidade para se pensar num transporte coletivo, barato e também mais eficiente. Penso que a prefeitura poderia assumir esse “rojão”. Mas esperem, não estou falando em aplicar o modelo de Ivaiporã, no centro do Paraná, onde o transporte coletivo é mantido pela prefeitura e por empresários da cidade. Fora o benefício da gratuidade, o que se vê nas ruas da cidade são alguns ônibus sucateados, já em vias de serem “descartados”. A proposta seria outra.

Coletivo gratuito de Ivaiporã. Alguns ônibus apresentam péssimo estado conservação
Foto: ônibusbrasil.com


Em recente conversa com meu amigo Jader Hanelt, ou Jadão, falávamos justamente sobre o transporte coletivo local. Detalhe: não sabíamos que a empresa passava por tal situação!
Jáder me falou de uma ideia que ele tinha, que para muitos poderia parecer loucura, mas que feito com muito planejamento, seria algo benéfico para comerciantes, empresários, trabalhadores e para o município como um todo. Sem contar ainda a contribuição que traria ao meio-ambiente.

A primeira pergunta: quais são os motivos que te levam a NÃO utilizar o transporte coletivo da cidade?
Respostas: Os pontos são distantes da minha rua; o preço da passagem é muito alto; os ônibus são desconfortáveis; os trajetos tomam tempo demais; prefiro andar de bicicleta (bom); prefiro ir de carro ou moto (péssimo!).

Eis a ideia...

Já pensou num sistema publico de transporte onde ônibus “alimentadores” saíssem de todos os bairros, sobretudo os mais distantes e populosos, e que esses por sua vez parassem em “mini-estações” em pontos estratégicos da cidade, onde outros coletivos levariam até aos destinos desses passageiros (centro, Vila, Pq. Industrial, Faculdade, Zona Norte, Zona Sul)?
Imagine ainda se a cobrança desse serviço fosse feita no IPTU, ou na conta de luz ( exemplo: todos pagam pelo recolhimento de lixo e pela iluminação pública de sua rua, mesmo que não tenha esses serviços onde mora ). Já imaginou poder pagar uma quantia simbólica, pelo menos R$ 1,50, e a outra parte ser subsidiada pelo município?

Vantagens

Com esse sistema de transporte, mais barato e mais eficiente, o fluxo de veículos diminuiria no centro da cidade, onde o trânsito teria maior fluidez. 
Hoje, quem precisa dirigir de 20 a 30 km por dia para ir e voltar ao trabalho, gasta em torno de R$ 140,00 por mês com gasolina. Isso ainda se o carro for 1.0. Empresários gastam muito dinheiro com vale-transporte ou fretamento de ônibus, kombis para seus funcionários. Pais gastam horrores com vans, para que seu filho estude numa escola distante de sua residência. Professores da rede municipal arcam sozinhos com o seu deslocamento diário. O consumidor paga mais caro num produto, para não se deslocar de um ponto a outro da cidade. Todos, exatamente todos ganhariam com isso!

Isso pode ser feito do dia para noite?

Lógico que pela grandiosidade do projeto, isso não poderia ser feito do dia para noite. Seriam necessários estudos técnicos para saber da viabilidade do projeto, o que não é feito em alguns meses, mas sim em 2 ou 3 anos de estudos e planejamentos.

A solução esta aí. Creio que dificilmente alguma empresa se interessará por explorar um serviço pouco rentável, visto que nossa cidade é relativamente pequena e, a maioria prefere custear o próprio transporte a ter que pagar mais caro para andar de ônibus coletivo.

Podem dizer até que a ideia em questão é “louca, megalomaníaca", mas não poderão dizer que ela é “impossível”.





sábado, 15 de março de 2014

MUITOS QUEBRA-MOLAS, POUCA CONSCIÊNCIA!

Imagem do site http://mafia-boxer.blogspot.com.br

Quanto menos respeito no trânsito, mais necessária será a construção de quebra-molas.
Como o próprio nome diz, o "quebra-molas" serve para ocasionar danos no veículo de quem anda além do limite de velocidade permitido.
É fantástico, pra não dizer assustador, a quantidade de requerimentos apresentados pelos vereadores solicitando a construção desses equipamentos. Geralmente o pedido parte de moradores que se preocupam com a segurança de suas ruas, principalmente quando se tem criança pequena.
Já vi muita gente reclamar da quantidade excessiva de quebra-molas pela cidade. Geralmente a reclamação parte de motoristas. Não tiro muito a razão de quem questiona, porém, se por um lado temos lombadas demais, pelo outro falta muito respeito de alguns (pra não dizer muitos) motoristas.
Dirijo cerca de 20 km por dia. Nesse percurso vejo constantemente alguns se achando "pilotos de fórmula 1". Acham que o seu compromisso é o mais importante de todos, por isso não respeitam sinais, limites e principalmente os outros.
Portanto, frise-se, enquanto faltar educação no trânsito, não faltarão quebra-molas!

Quantos já me visitaram?